O Árabe

Idéias, sentimentos, emoções. Oásis que nos ajudam a atravessar os trechos desérticos da vida...

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

OS VOSSOS ERROS


Não deveis lamentar os vossos erros.

Em verdade, eles constituem o vosso maior patrimônio. Porque, como os bens materiais vos compram conforto neste mundo, os vossos erros podem adquirir para vós um futuro melhor.

Necessitais, porém, saber utilizá-los. Assim como a fortuna, por maior que seja, nada trará de bom se não for sabiamente usada, também os erros de nada servem, se não trazem o aprendizado.

É, sem dúvida, verdade que “sobre o leite derramado não adianta chorar”. Entretanto, é igualmente verdade que o homem sábio adotará providências, para que o leite não volte a derramar.

Porque não podeis modificar o passado; e de nada vos adianta lastimar as causas, quando chegam as consequências. Mas é certo que está ao vosso alcance evitar que se repitam, no futuro.

Eu vos tenho dito que viveis somente no hoje; nada podeis fazer no ontem e nem no amanhã. Mas, se aproveitardes as lições do ontem, tornareis melhor o vosso hoje e o vosso amanhã.

Não lamenteis, portanto, os vossos erros. Mesmo porque aquele que vive mergulhado no remorso por suas ações de ontem, não percebe as opções de hoje e as oportunidades para o amanhã.

Aprendei, sim, com eles. Pois o homem insensato, que não aprende com a própria experiência, está condenado a repetir os seus erros e reviver muitas vezes o mesmo sofrimento.

Para diante, caminhais; para diante, voltai sempre os vossos olhos. Lembrai-vos, porém, de que os vossos erros podem ser como a luz que vem de vossas costas e ilumina o caminho à frente.

Não desprezeis os ensinamentos que os erros vos podem trazer; nem vos deixeis entristecer por havê-los cometido. Sois como a criança, que necessita cair para aprender a andar.

Tende presente, todavia, que embora a criança não se deixe amedrontar pelas quedas, tampouco as comemora; chora a cada uma delas. Sofrei por vossos erros, pois só assim aprendereis.

Esquecei-os, entretanto, tão logo passe a dor que vos causaram. Conservai apenas, em vossa memória, as lembranças de como os cometestes e quanto vos doeram, para que de futuro os eviteis.

Porque o anzol que ontem, a um movimento descuidado, vos feriu os dedos, é o mesmo que hoje vos ajuda a apanhar os peixes que amanhã vos servirão de alimento e saciarão a vossa fome.

Chorai os vossos erros; mas não gasteis em lamentá-los o tempo que podeis aproveitar em aprender. Os erros são como as pedras, que vos magoam os pés, mas pavimentam o vosso caminho.

E vos conduzem ao aprendizado. 


Música:
http://ohassan.dominiotemporario.com/midis/andrerieu-bolero.mid 

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

A VOSSA SOLIDÃO


Aprendei a viver com a vossa solidão.

Porque, ainda que ameis e sejais amados, a solidão continuará em vós; assim, eu vos tenho dito. E assim acontece, porque ninguém conhece os vossos sentimentos e as vossas razões.

Por isto, ninguém vos pode entender como vos entendeis. E não deveis lançar, sobre os ombros dos que vos amam, a obrigação de vos entender e aceitar, se nem vós mesmos o fazeis sempre.

Acostumai-vos à solidão, portanto. E, mesmo quando estiverdes felizes com os vossos amores, sabei que ela vos aguarda na próxima esquina; na próxima briga, na próxima separação.

Ainda quando a companhia dorme em vosso leito, a solidão vos espreita nas horas mortas da noite, no silêncio de vosso quarto, na inquietude das vossas dúvidas e dos vossos pesares.

Ainda quando as pessoas vos cercam e abraçam, quando chamam o vosso nome e agradecem a vossa presença, a solidão vos espera ao fim das festas, no momento do vosso retorno.

Por mais intensos que sejam os vossos orgasmos, mais profundos os vossos momentos de ternura, mais sinceras e apaixonadas as juras de amor que dizeis e escutais, a solidão vos aguarda.

Por mais que vos vejais refletidos em vossos pais, em vossos irmãos, em vossos amigos, em vossos amores, em vossos filhos e em vossos netos, a solidão virá decerto ao vosso encontro.  

A solidão faz parte de vós. E mesmo quando a felicidade vos acena, quando a esperança vos anima, quando a amizade se mostra presente, a solidão escondida espera o seu momento.

Porque sois como pássaros inquietos, que voam em bandos, mas à noite se recolhem ao isolamento de seus ninhos, até que o sol da manhã os aqueça e faça voar novamente juntos.

Sós, chegais a este mundo. Mesmo quando nascem gêmeos, cada um vê a luz por sua vez. E sós, também, o deixareis; é em vossos olhos que a luz se apaga, quando chega a vossa hora.

Abandonai a ilusão da companhia. Nos palcos da vida, cada um de vós é um artista, que desempenha o seu papel; e por mais estrondosos que sejam os aplausos, um dia a cortina cairá.

E nada existe de mais triste que a realidade da solidão, para aquele que se deixou levar pelo sonho da companhia. Triste não é o silêncio dos bastidores; são as poltronas vazias no teatro.

Acostumai-vos à solidão. E sabei que ela não é vossa inimiga, mas a vossa condição natural; vede que até mesmo entre os astros precisa existir a distância, para que exista o universo.

É assim que é. Gravitais em torno daqueles que vos cercam, mas cada um tem a sua órbita própria; e não sois como linhas que se sobrepõem, mas como retas que se tocam em poucos momentos.

A solidão faz parte de vós. É ela que vos acompanha em todos os momentos, que vos acolhe quando lambeis as vossas feridas; é ela que vos receberá, quando se encerrar o espetáculo.

Nela descansareis, até a próxima sessão.


Música:

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

O QUE LEVAREIS NA VOSSA MOCHILA?


Aproxima-se o final de mais um ano.

E, como faz o viajante sensato ao chegar a uma nova etapa de sua jornada, deveis aliviar o peso da vossa mochila, para que menos vos oprima e mais fáceis se tornem os vossos passos.

Sede sábios, entretanto, ao escolher entre os itens que lançareis fora e aqueles que deveis conservar; pois, se uns vos retardariam o andar, outros vos serão úteis por toda a caminhada.

Não hesiteis, por um instante sequer, em descartar os atritos que com outras pessoas tivestes. Atirai sobre eles as águas abençoadas do perdão e abandonai-os à margem da estrada.

Pois de nada vos serve guardar rancores ou desejar vinganças; a raiva é uma corrente pesada, a prender-vos àqueles por quem a sentis. Não a deveis abrigar em vossos corações.

Abandonai, também, os vossos aborrecimentos, as vossas mágoas e os vossos sofrimentos. Guardai apenas o aprendizado que vos trouxeram, para que no futuro os saibais evitar.

Apressai-vos em rejeitar o desânimo e a desesperança. Nenhum homem existe que possa seguir em frente e conseguir o que deseja, sem acreditar em si mesmo e no Coração do Universo.

Livrai-vos do orgulho e dos preconceitos, as vendas que mais vos tolhem a visão. Sois todos iguais, ante o Pai; as diferenças existem para que vos possais ajudar durante o caminho.

Alijai de vossa mochila a inveja e a cobiça. Aquele que se sente infeliz pelo que lhe falta, afasta de si a gratidão por tudo que possui; e quem não é grato pelo sol, merece a escuridão.

Abandonai os vossos medos. E seguireis confiantes, sabendo que para cada abismo haverá uma ponte; para cada montanha, uma trilha segura; para cada rio, o barco em que o transporeis.

Sim; atirai fora tudo que não vos serve. Necessitais fazê-lo, para que em vossa mochila exista espaço suficiente para aquilo que devereis levar, ao começar uma nova etapa desta jornada.

No começo de todo novo ano, colocai em vossa mochila a Fé e a Esperança; são elas que tornarão mais leve o vosso caminhar e vos trarão forças, para que possais chegar mais longe.

E não vos esqueçais, também, de colocar o Amor; porque é ele que vos tomará em seus braços e vos acalantará, de cada vez que a Vida colocar em vosso caminho um novo obstáculo.

Guardai as lembranças dos vossos sorrisos, no ano que finda. Mas não julgueis que vos possais desfazer da memória de vossos prantos; de lágrimas e sorrisos é feito o vosso caminho.

O caminho que vos conduz ao Coração do Universo.

Música:
http://ohassan.dominiotemporario.com/midis/1_richard_clayderman_bridge_over_troubled_water.mid 

Imperdível: https://youtu.be/hOGeQ96fGtU 
FELIZ ANO NOVO! 

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

ORAÇÃO DE NATAL



Ajudai-nos, Senhor. 

Para que todos os homens, de todos os credos, de todas as raças e todas as posições sociais, possam dar-se as mãos em espírito e celebrar o amor ao redor do mundo. 

Para que a esperança volte a reinar nos corações, a serenidade da paz seja mais forte que o barulho da guerra, e a sabedoria da compreensão triunfe sobre a estupidez dos preconceitos.

Para que as crianças possam voltar a brincar e a correr pelas ruas e pelos campos, despreocupadas de tudo que não seja viver a fase da inocência e dos sonhos mais simples. 

Para que as pessoas sejam capazes de estancar os seus passos para ver o botão de rosa que se abre, ouvir a música harmoniosa que viaja no vento, ou apreciar o amanhecer.

Para que aprendamos a amparar aqueles que sofrem, consolar os que choram e não oferecer apenas a esmola de nossas posses, mas também a nossa solidariedade e o nosso afeto.

Para que as luzes não se acendam somente nas árvores e casas decoradas, mas brilhem em nossas almas e iluminem a nossa jornada pelos caminhos da fraternidade e do perdão.

Ajudai-nos, Senhor. 

Multiplicai os olhares que se encontram e reconfortam, as mãos que se entrelaçam, os braços que sustentam e as vozes que repetem palavras de carinho e entendimento. 

Fortalecei a nossa fé, para que possamos sentir a Vossa presença e encontrar-Vos nas ondas do mar, na calma do lago, nas areias que se movem no deserto, no sol e nas estrelas.

Ensinai-nos a não desejar um futuro melhor, mas viver o presente de forma a construir o futuro que desejamos; a não reclamar do que nos falta, mas amar aquilo que possuímos.

Dai-nos, porém, o entendimento de que nada nos pertence, senão o que podemos levar em nosso verdadeiro Eu, a cada vez em que o Universo nos convoca à Grande Viagem.

Concedei-nos o desejo do conhecimento, o desprendimento dos bens materiais; a certeza de que somos eternos e o mais verdadeiro de nós habita em Vós, no Jardim do Amanhã.

Fazei, Senhor, com que possamos entender a nossa pequenez, enquanto caminhamos sobre a terra; e a nossa grandeza, porque em nós existe uma pequena centelha de Vós
.
Não importa o nome que Vos demos, a maneira como vos celebremos, as palavras com as quais oremos a Vós. Um dia, entenderemos que somos irmãos e Vossos filhos.

E o Natal estará em nós, todos os dias! 

Música:

FELIZ NATAL, AMIGOS! 

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

O VOSSO TEMPO





 O que fazeis do vosso tempo?

Esta é a pergunta que por diversas vezes vos tenho feito. E, entretanto, é a pergunta que também vos deveríeis fazer, a cada minuto de cada dia em que caminhais sobre a terra.

Porque limitado é o tempo que aqui podeis passar, em cada etapa da jornada. E não deveis desperdiçar o vosso tempo, como o viajante no deserto não joga fora as gotas do seu cantil.

Em um e em outro caso, é da vossa própria vida que se trata. Pois cada gota de tempo que desperdiçais é como a gota de água lançada fora, que logo se evapora sobre a areia quente.

O tempo que se vai jamais voltará. E esta verdade, tão simples, parece não encontrar guarida em vosso entendimento; sois como o cão insensato, que corre atrás do próprio rabo.
   
Porque gastais o vosso tempo em preocupar-vos com os pequenos problemas da vida; quando mais simples e gratificante seria que vos ocupásseis em viver plenamente a vida.

É desperdiçado cada minuto em que não sentis a força da Vida, que não apenas corre em vossas veias; mas abarca a Eternidade e vem ao vosso encontro em vosso verdadeiro Eu.

É desperdiçado cada momento em que vos entregais às preocupações, ao desânimo ou à indiferença; em que não vos sentis vivos e não percebeis a energia que vos cerca e preenche.

É desperdiçado cada instante em que não sorris e não chorais; em que não estais alegres nem tristes; em que nenhuma emoção vos anima e traz a vontade de seguirdes em frente.

Porque deveis viver, em todos os momentos. Enquanto trabalhais, enquanto vos divertis, ou até mesmo quando apenas vos entregais ao ócio, repousando vosso corpo e vossa alma.

Vivei, sempre; este é o segredo da Vida e o caminho para aproveitardes melhor o vosso tempo. Saboreai as emoções, aproveitai o prazer que vos trazem os sonhos e as vitórias. 

Cuidai, porém, de saborear também as tristezas; de aprender com as vossas desilusões e as vossas derrotas. Mais divertida é a estrada onde se alternam os vales e as montanhas. 

Amai, enquanto estiverdes com os vossos amores; trabalhai, nas horas do dia em que o deveis fazer; gozai do repouso, quando vos for dado o conforto e a intimidade do vosso leito. 

Em tudo que fizerdes, todavia, colocai o vosso corpo e a vossa alma. Porque é assim que vivereis todo o tempo; que aproveitareis cada minuto que vos couber em cada jornada.

E não amargareis o remorso de haver desperdiçado o vosso tempo.

Música: 
http://ohassan.dominiotemporario.com/midis/pianos_magicos_el_reloj.mid

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

UMA NOVA VIAGEM




Temeis a vossa finitude

E, porque vos assusta a vossa fragilidade, procurais negar esta verdade; como se assim pudésseis ignorar as doenças e a morte e permanecer como sois, enquanto quiserdes.

Melhor faríeis, entretanto, se a tivésseis presente entre vossas certezas. Porque assim mais valorizaríeis cada minuto da vida e talvez mais a vivêsseis, em toda a sua plenitude
.
Pois aquele que se julga eterno não mensura o valor de um instante; e muitas são as vezes em que desperdiçais o vosso precioso tempo, em futilidades que de nada vos servem. 

Irai-vos, quando poderíeis perdoar; temeis o futuro, quando poderíeis construir no presente; invejais o alheio, quando poderíeis prezar o que tendes; sofreis, quando poderíeis ser felizes.

Porque gostais de julgar-vos eternos, não vedes que tudo é passageiro. Aquilo que agora vos incomoda, amanhã não passará de lembrança; e assim será por todos os vossos dias.

Imaginai, por um instante, que não estareis aqui amanhã; e outra será a perspectiva com que vereis o agora e o mundo em que viveis. Outras serão as vossas prioridades e reações.

A Eternidade vos pertence. Entretanto, muitas serão as etapas da jornada; diversos companheiros encontrareis e muitas roupas  envergareis, para percorrer os vossos caminhos.

Acostumai-vos a essa ideia. E mais vos entregareis a cada momento; mais intensamente vivereis as vossas emoções, mais desfrutareis das belezas do mundo e da graça de viver.

Aceitai com tranquilidade a certeza da morte, e mais celebrareis a vida! Mais sabereis valorizar a dádiva de cada dia que nasce, e mais  sereis gratos por cada noite de sono.

Recordai que ninguém sabe quando se encerrará a sua jornada, ou até quando a saúde habitará em seu corpo; e melhor cuidareis de vós mesmos e daqueles que vos cercam.

Como a saudade vos faz perceber a intensidade do amor e desejar a presença do amado, a ideia da morte desperta em vós a consciência da dádiva maravilhosa que é a vida. 

Aceitai esta verdade. E não a temais, pois o que vos parece o porto final é apenas o início de uma nova jornada. E sábio é o homem que desfruta daquilo que encontra em cada viagem.

Conformai-vos com a vossa finitude. Nela não reside a vossa fraqueza, mas a vossa maior força; porque vos ensina a valorizar cada minuto que vos é dado passar neste mundo.

Até que chegue a hora de uma nova viagem.

Real Time Web Analytics Real Time Web Analytics Real Time Web Analytics Clicky